Black Friday no Brasil: manual de sobrevivência [+ dicas para evitar fraudes]

12 de novembro / 2019 (atualizado)

A Black Friday no Brasil está chegando você vai nos agradecer por esse post!

Para que eu preciso de um manual de sobrevivência?

Dia 29/11 acontece mais uma Black Friday no Brasil e nós já te contamos por aqui que essa data vem crescendo bastante nos últimos anos (spoiler: o número de endividados também).

Esse ano, algumas pesquisas mostraram que a expectativa de vendas supera os 3 bilhões de reais. Ou seja, aquela falida geral na nação trabalhadora e pagadora de boleto.

Não viemos fazer o papel dos chatos, mas sim te fazer pensar antes de comprar nessa Black Friday e tomar muito cuidado para não cair numa cilada.

Vamos lá?

A gente não quer só comida, a gente quer comida, roupa e celular novo!

Antes de começarmos com as nossas dicas salvadoras de faturas estouradas, vamos compartilhar uma curiosidade:

Nos últimos anos categorias “nem tão convencionais” de compras, como imóveis e veículos, ganharam espaço nas vendas de Black Friday no Brasil.

Mesmo assim, os queridinhos do país continuam sendo roupas e eletrônicos, como mostra a imagem abaixo:

Fonte: Black Friday Global, 2018

Agora chega de enrolação e vamos as dicas práticas:

1- Tudo pela metade do dobro

A nossa dica aqui é começar a pesquisar os preços com bastante antecedência. Só assim você terá certeza do preço original do produto que deseja e saberá se o desconto que está sendo oferecido na Black Friday, foi aplicado de forma justa.

Aqui vale a gente te contar que o próprio PROCON fica de olho nos preços dias antes da data chegar.

2- Saiba exatamente o que você quer

Já diriam os sábios: qualquer coisa serve para quem não sabe o que quer… Isso pode ser bem perigoso quando estamos falando de compras.

Se você se deixar levar por absolutamente TODAS as ofertas que estarão disponíveis, acabará comprando coisas por impulso, estourando o limite do cartão e pagando juros altíssimos, se não honrar com a fatura virá.

Quando você tem um objetivo definido, tende a pesquisar mais, comparar preços e comprar de forma consciente e focada.

3- Prevenir é sempre melhor do que remediar

Por isso, conheça a reputação das empresas nas quais você pretende comprar algum produto nessa Black Friday, para evitar surpresas desagradáveis depois.

Para te ajudar com isso, o site Reclame Aqui divulgou quais foram as empresas campeãs de reclamações em 2018.

Veja abaixo quem conquistou esse nada desejado pódio:

4- Quem não deve, não teme

Da mesma forma que você, enquanto consumidor consciente, vai procurar quais empresas deram dor de cabeça aos seus clientes, procure também aquelas que deram um show de boas práticas nas últimas Black Friday no Brasil.

Já ouviu falar do selo Black Friday Legal?

Ele nada mais é do que um reconhecimentos às empresas que cumpriram o Código de Ética e se comprometeram à realizar suas vendas de forma justa e correta na Internet.

Antes de receberem o selo, essas empresas também passam por avaliações que garantem a ficha limpa! Vale ficar de olho no site e verificar quais serão as empresas participantes em 2019.

Há dois anos, existe também o Prêmio Black Friday de Verdade. Inclusive, se você já teve alguma boa experiência com alguma empresa em edições anteriores da Black Friday no Brasil, pode até participar da votação!

Veja aqui quais foram as empresas vencedoras das últimas edições do prêmio e lembre-se dessa informação na hora de comparar as vantagens.

5- Saiba o que pode dar errado

No ano passado, vários foram os motivos que levaram as pessoas a reclamarem das empresas na Black Friday. Essa foi a lista dos maiores problemas encontrados:

Entrega, preços, atendimento e facilidade de compra.

Sim, atraso na entrega foi o maior causador de problemas no ano passado! Na sequência desses, vieram os critérios:

  • Propagandas enganosas;
  • Estorno do valor pago;
  • Trocas ou devolução do produto;
  • Produto errado

Se por acaso você se prevenir de todas as formas, mas mesmo assim não conseguir escapar, saiba que, pelo Código de Defesa do Consumidor, você terá 30 dias para reclamar de problemas fáceis de detectar ou até 90 dias quando for algo menos visível.

Para entender melhor como essa regra se aplica, recomendamos a leitura desse artigo.

Nesses casos, vale lembrar que a reclamação poderá tanto para o comerciante, quanto para o fabricante do produto em questão.

6- Olhei, gostei, comprei, me arrependi

Primeiramente, não faça isso, tudo o que escrevemos até agora, foi justamente para evitar situações como essa.

Mas, caso ela aconteça…

Se for uma compra feita fora do estabelecimento físico (por exemplo na Internet), o prazo para desistência da compra é de sete dias contados à partir da aquisição do produto ou do seu recebimento.

Mas atenção: se a compra foi feita presencialmente, o estabelecimento não é obrigado a fazer a troca, então pense muuuuuito bem antes!

7- Estourar a fatura ou limpar o nome?

Lembra-se do começo desse texto quando comentamos que o número de endividados também vem crescendo? Em fevereiro desse ano, éramos 63 milhões no vermelho.

Se por acaso você estiver dentro dessa estatística, mesmo com todas as dicas que demos, o ideal mesmo é priorizar o pagamento dos seus débitos e não fazer compras.

Aproveite oportunidades únicas como o seu décimo terceiro salário, o seu FGTS e a melhor de todas: o Black Feirão emDia, para renegociar dívidas com descontos arrasadores!

 

Acessar o site da emDia

Marcella Menasce

por Marcella Menasce