Cartão de crédito: amigo ou inimigo? (+ 5 erros)

10 de junho / 2020 (atualizado)

O mesmo objeto que te permite realizar sonhos em suaves prestações, pode ser também o causador do mau endividamento com os seus juros altíssimos. No final de tudo, será que o cartão de crédito veio para ajudar ou complicar as nossas vidas financeiras?

Como funciona o cartão de crédito?

Essa é uma das formas de pagamento mais utilizadas, não só no Brasil, mas no mundo todo. É tão comum retirá-lo da carteira, pagar parcelado e esperar pela fatura, que dificilmente paramos para pensar como o cartão de crédito funciona de verdade.

Surpreendentemente, ele funciona como uma modalidade de empréstimo, afinal, quando utilizamos os nossos cartões, temos um prazo de até 40 dias até efetuarmos o pagamento do que está sendo comprado. Durante esse período, os bancos ou instituições financeiras nos “emprestaram” esse valor.

Quando solicitamos um cartão, ele sempre vem acompanhado de um limite definido pela empresa emissora. Esse limite, na maioria das vezes, é liberado com base no seu score (pontuação de crédito), renda mensal, entre outros… O limite é o valor que será emprestado para você e representa a quantia máxima que poderá ser gasta.

Uma dúvida comum sobre o limite é o seu funcionamento se fala em compras parceladas: para a surpresa de muitos as parcelas também devem estar dentro do valor máximo estabelecido.

Por exemplo: se hoje você tem um limite liberado no valor de R$ 800,00 e faz uma compra parcelada, em 4x de R$ 200,00, ficará durante 4 meses com o limite comprometido com essa mesma compra até o término do pagamento.

Por isso, planeje bem o número de parcelas de suas compras, caso você precise usar o limite no futuro.

 

Por que tanta gente se enrola com o cartão de crédito?

63% das famílias brasileiras estão endividadas nesse momento.

Seja pela crise ou por motivos anteriores a ela, esse número nos assusta ainda mais quando olhamos a causa do endividamento de perto: dessas famílias endividadas, 79,8% tem o cartão de crédito como causa.

Apesar de já ser muito alto, esse número se encontra em uma curva crescente com o passar do tempo: no mesmo período em 2019, o total de famílias endividadas pelo cartão de crédito era de 78,4%.

Se a conta não está fechando no final do mês, a fatura do cartão pode ser uma grande suspeita, já que é bem mais fácil perder o controle sobre os gastos parcelando as compras, do que pagando em dinheiro vivo ou no débito.

Quando isso acontece, a opção de parcelar a fatura nos parece muito tentadora e aquele botão de “pagar a fatura mínima” (normalmente 15% do valor total devido), brilha os nossos olhos. Mas vale lembrar que é aí que entram os famosos juros, que giram em torno de nada menos do que  300% ao ano.

Para piorar, o tempo médio das famílias brasileiras com o pagamento das faturas do cartão em atraso é maior do que 3 meses. Ou seja, a cada mês que passa, o cálculo se torna juros em cima de juros e aqui, estamos falando dos mais altos do mercado.

Imagina a bola de neve que isso pode virar?

 

Quais são os erros mais comuns no uso do cartão?

homem com mãos na cabeça checando dívidas vencidas negativadas

1-Não prever gastos dentro do orçamento

Quando montamos nossos orçamentos, sabemos quanto nos custam as linhas “contas da casa”, “despesas médicas”, “gastos com educação”, mas será que você tem uma linha só para gastos com o cartão?

Indo mais adiante: hoje você saberia dizer qual o valor máximo que pode ser gasto no seu cartão de crédito, sem comprometer outros itens básicos?

Saber responder essas perguntas é uma ótima forma de evitar a perda do controle ou ainda precisar parcelar a fatura.

 

2- Ter um limite que não corresponde à sua realidade financeira

Ter um limite alto no cartão é legal, mas pode não corresponder à sua realidade financeira e estar fora dos custos que você pode arcar nesse momento.

Por mais tentadora que seja a liberação do saldo , procure solicitar um limite que te ajude a manter os valores das faturas em dia. Recomenda-se até 50% da sua renda, mas pense se esse valor faz sentido com os seus gastos atuais.

 

3- Emprestar o seu cartão

Se você tem tudo sob controle e sabe quanto pode gastar, mas empresta o seu cartão para alguém, o risco de se endividar continua alto.

Emprestar o cartão de crédito, mesmo que para amigos ou familiares, é uma prática tão comum e tão perigosa, que fizemos um texto apenas para falar dela, confira aqui!

Não se esqueça de que não é necessário emprestar o cartão físico: dados como número do cartão, código de segurança e data de validade, já garantem a realização de uma compra virtual, portanto, não os compartilhe.

 

4- Atrasar a fatura

Seja por esquecimento ou falta de planejamento, deixar de pagar a fatura do cartão na data de vencimento é perigoso. Mesmo que por um curto período de tempo, os juros já estarão sendo cobrados.

 

5- Não acompanhar os gastos ao longo do mês

Acompanhe diariamente o valor atual da sua fatura e conheça os seus gastos.

Às vezes, podemos ter a falsa sensação de que não gastamos tanto naquele mês e nos surpreender com o valor final da fatura. Para isso evitar isso, procure no aplicativos ou no site do seu banco o valor da fatura que está em aberto.

 

Como utilizar o cartão de crédito a seu favor?

Agora que você já conhece as causas do endividamento e os principais erros cometidos, ficou mais fácil saber como usar o seu cartão como aliado, certo?

Em todo caso, aqui vão mais algumas dicas:

  • Caso você queira realizar um compra e conheça bem o seu orçamento, é possível parcelar o valor no cartão, de forma a não comprometer toda a sua renda em um único mês. Vantajoso, não?
  • Aproveite programas de pontuação e fidelidade: procure saber se o seu cartão te dá direito aos programas desse tipo, muitas vezes a pontuação nos permite conseguir alguns itens pessoais e para casa. Mas atenção, vale comparar o valor da anuidade (tarifa de manutenção) dos cartões que oferecem esse tipo de recompensa, com os que não oferecem.

 

Gostou desse conteúdo? Siga acompanhando o nosso blog para saber tudo sobre cartões de créditos!

Ir para o Blog

Marcella Menasce

por Marcella Menasce