Como funciona o cheque especial?

29 de janeiro / 2020 (atualizado)

Se você já passou por um aperto financeiro, precisou de alguma ajuda para não ficar no vermelho no final do mês e se perguntou se valeria a pena obter um cheque especial, você está no lugar certo!

Nós vamos te explicar como funciona o cheque especial e quais são as regras, vantagens e desvantagens dessa forma de obter crédito.

Bem, quando você está com fome, é necessário buscar alguma fonte de energia, certo? E existem diversas delas a sua disposição: umas mais saudáveis, outras um pouco mais exageradas, cheias de calorias e que podem te deixar com uns quilinhos a mais. 

O cheque especial, em comparação com outras formas de obtenção crédito, é uma espécie de “x-tudo”. Resumindo, é uma forma não muito saudável de conseguir as calorias e nutrientes necessários para se manter durante o dia.

No caso do cheque especial, estamos falando de uma modalidade de crédito que possui um inimigo para a sua saúde financeira, ou seja, as taxas e os altos juros

Mas por se tratar de uma forma fácil de obter dinheiro extra, muitas pessoas recorrem a ele, sem saber que existem alternativas mais “saudáveis” e que podem trazer bem menos dores de cabeça para as suas finanças.

Nesse post, vamos explicar como funciona o cheque especial e quais são as formas de utilizá-lo de modo consciente, sem gerar uma dívida incômoda que, se não for quitada em pouco tempo, vai ganhando cada vez mais corpo por conta dos juros mensais. 

Aproveite para descobrir mais sobre esta modalidade de crédito e conhecer alternativas que podem te ajudar a evitar a necessidade de usá-lo.

Confira!

 

Afinal, como funciona o cheque especial?

O cheque especial nada tem a ver com as antigas folhas de cheque que as pessoas utilizavam antes da popularidade dos cartões de crédito e débito.

O cheque especial é, na verdade, um crédito pré-aprovado pelo seu banco para que você use, caso gaste mais do que tem de saldo em conta . Não entendeu? Veja esse exemplo prático de como funciona o cheque especial:

Imagine que você ganha 2 mil reais por mês e quer se tornar cliente de um banco. Ao chegar na agência e realizar todas as etapas para abertura da sua nova conta corrente, o gerente te informa que você tem direito ao uso de um valor X (digamos, R$900) de limite.

Nesse caso, se você ultrapassar os gastos e precisar usar mais de R$2 mil reais no mês, que é o valor do seu salário, não há necessidade de pedir um empréstimo, afinal, seu banco já pré aprovou uma liberação de R$900. 

 

Como é definido o valor do cheque especial? 

Para entender melhor como funciona o cheque especial, é importante que você saiba como o valor é estabelecido para cada pessoa. 

O valor é calculado com base em algumas informações importantes sobre o seu comportamento financeiro, ou seja, na hora do cadastro, serão analisados dados como:

 

  • Existência de dívidas no seu nome;
  • Histórico de pagamento dessas dívidas;
  • Score, que é a sua “pontuação” perante as instituições financeiras.

 

O score é algo que leva em consideração, dentre outras coisas, seu histórico de inadimplência, a existência ou não de bens comprovados em seu nome, e a sua renda mensal (comprovada, é claro). 

A soma dos dois fatores relacionados às dívidas e do score é que define o quanto o banco vai “confiar” para você gastar, caso seu dinheiro acabe. 

Esse cálculo é importante pois ajuda a evitar, por exemplo, que uma pessoa que ganha um bom salário, mas é inadimplente, consiga um valor muito alto de crédito. 

Se ela já tem dívidas acumuladas, não é muito indicado “emprestar” a ela uma grande quantia de dinheiro, pois é possível que ela entre em uma bola de neve de dívidas e não consiga pagar nenhuma delas.

Vale lembrar também que o limite de crédito estabelecido pelo banco pode ser dividido, não ficando restrito apenas ao cheque especial. Esse valor pode entrar também no limite do cartão de crédito, e até mesmo nos valores para CDC (Crédito Direto ao Consumidor), que é uma modalidade de crédito para o consumidor (pessoa física). 

Na prática, assim é como funciona o cheque especial: digamos que você gastou os 2 mil reais mensais do seu salário e usou 100 reais do crédito que o banco te concedeu. 

Quando seu próximo salário cair, você verá que o saldo ficará um pouco abaixo dos R$1,900. Isso significa que o banco completou o valor que faltava para você fechar a conta naquele mês, ou seja, R$ 100, e depois cobrou os juros proporcionais pelo uso desses R$100.

 

Fique atento às mudanças feitas pelos bancos!

No dia 6 de janeiro de 2020, começou a valer a determinação do Banco Central de que os juros do cheque especial não podem ultrapassar 8% ao mês

Antes da mudança, os juros eram de 12,4% ao mês. Mas não pense que essa mudança não trouxe alguns inconvenientes para os consumidores.:

A partir de agora, os bancos podem cobrar uma tarifa dos clientes para que eles tenham direito ao benefício, ou seja, se antes o crédito pré-aprovado não possuía taxas para ser contratado, agora o banco pode fazer uma cobrança.

A tarifa máxima é de 0,25% sobre o limite de crédito que ultrapassar R$ 500 mensais. No caso do nosso exemplo, para obter os R$900 de cheque especial, o banco pode cobrar R$1 de tarifa (por mês). O cálculo é feito da seguinte maneira:

  1. Os primeiros 500 reais ficam isentos de taxa;
  2. O restante é tarifado e, neste caso, para obter os R$400 restantes (para completar os R$900), será preciso pagar 0,25% sobre esse valor;
  3. Neste exemplo, o valor da tarifa será de R$1, ou seja, representa 0,25% de R$400.

O valor é pequeno, contudo, é mais uma taxa que você deve somar às outras que já são cobradas pelo seu banco. 

 

Vantagens e desvantagens

O cheque especial possui uma vantagem, que é a sua praticidade. Se o seu dinheiro em conta acabou, basta continuar passando seu cartão ou realizando saques até atingir o limite, como já explicamos. 

Não é preciso pedir empréstimo para o gerente ou uma liberação de crédito, nem nada disso. Basta utilizar aquilo que o banco te empresta, e que fica a sua disposição 

Sem burocracia e sempre ao seu alcance, ele se torna um crédito simples e facilitado, porém, nada vem de graça no universo financeiro.

Entre as principais desvantagens desta modalidade de crédito estão os juros. Mesmo com a diminuição anunciada pelo Banco Central, a taxa de juros anual do cheque especial caiu de 306,6% para 151,8%. 

Esses valores são bem altos, fazendo com que essa modalidade de crédito seja pouco vantajosa. Em termos bancários, apenas os juros dos cartões de crédito são mais altos, chegando a até 12,1%.

Sendo assim – e sabendo como funciona o cheque especial – fica a nossa dica: utilize-o com muita consciência. De preferência, para gastos emergenciais que não podem ser evitados ou caso seja um pequeno valor que você precise em um dia próximo ao seu pagamento (quanto menos dias usando, menos juros).

 

Dicas rápidas para quem vai usar o cheque especial

Se você precisa usar essa linha de crédito, é bom ficar atento a algumas regras que os bancos podem colocar em prática:

  1. Alguns bancos que prometem “x dias sem juros no cheque especial” cobram os juros acumulados após a data limite. Sendo assim, quando há um limite de 10 dias sem juros, no décimo primeiro dia serão cobrados os juros acumulados;
  2. Para obter juros menores, em muitos casos, será necessário aderir a um pacote de tarifas do banco, por isso, fique atento aos valores!
  3. O IOF (imposto sobre transação financeira) é aplicado sobre o cheque especial e se soma aos juros, o que pode aumentar ainda mais o valor devido ao banco.

 

Dicas rápidas para quem não quer usar o cheque especial

Se você está apertado, mas não pensa em apelar para o uso do cheque especial, existem alguns meios para sair dessa. O mais interessante deles economizar

  1. Fique de olho nos seus gastos fixos mensais e coloque no papel as datas de pagamento e valores;
  2. Tome cuidado com os gastos supérfluos, exageros e impulsos consumistas e compras parceladas;
  3. Fique de olho em conteúdos sobre educação financeira para aprender como reduzir os gastos e fugir dos altos juros.

 

→ Agora, se você tentou, mas não conseguiu fugir das dívidas, nossa dica é: 

  1. Reduza o limite do seu cartão ou do cheque especial para evitar grandes dívidas;
  2. Renegocie com a emDia! Temos parceria com diversas empresas. Você pode encontrar a que está procurando aqui.

Saber como funciona o cheque especial é algo importante para não transformar a sua realidade financeira em uma coleção de dívidas com juros altos. Sempre que possível, procure outras opções para não ter que recorrer a essa linha de crédito!

Além disso, você pode optar por cancelar o cheque especial a qualquer momento. É só entrar em contato com o SAC, por telefone ou internet, do seu banco e seguir as instruções fornecidas. Se preferir diminuir o limite do crédito, você deve entrar em contato com a gerência da sua conta.

Para fechar, saiba que o cheque especial se trata de um crédito arriscado para o banco. Ele empresta o dinheiro “de olho fechado”, por isso os juros são tão altos. 

Todos os meses, os bancos brasileiros movimentam 30 bilhões de reais em cheque especial, e se você não quer entrar nessa conta, é melhor se precaver e cuidar das suas finanças. 

Para quem busca uma solução para sair do cheque especial, a emDia oferece as melhores condições para renegociar suas dívidas e trazer o tão sonhado sossego financeiro para a sua família.

Ir para o site da emDia

Marcella Menasce

por Marcella Menasce