O que é consumo consciente?

30 de julho / 2021 (atualizado)

Não importa como anda a sua vida financeira, entender o que é consumidor consciente e se transformar em um pode ajudar você e, principalmente, o planeta! 

No Brasil, a ideia de consumo consciente começou em 2009, quando o Dia do Consumo Consciente foi instituído pelo Ministério do Meio Ambiente. O objetivo dessa data é lembrar as pessoas sobre os riscos de produzir e consumir de forma exagerada. Um consumidor consciente analisa os impactos do consumo excessivo e adota práticas cotidianas para evitar esses excessos.

O mais interessante do consumo consciente é que ele não serve apenas para o bem do planeta, mas também tem benefícios para o próprio consumidor. Além de pensar melhor na maneira como consome, você economiza, otimiza a gestão de suas finanças e, consequentemente, faz seu dinheiro render mais.

Na sequência, vamos explicar com mais detalhes o que é consumo consciente e quais são as suas principais vantagens. Além disso, vamos ver qual é o panorama do Brasil em relação ao assunto e como dar os primeiros passos para se tornar um consumidor consciente. Continue a leitura a confira!

O que é consumo consciente?

O consumo consciente acontece quando você consegue recursos para utilizá-los na satisfação das suas necessidades. Nessa filosofia, obter recursos acima das suas necessidades não faz sentido.

Esse comportamento se relaciona com todas as áreas da vida: seja utilizando recursos naturais, seja comprando alimentos, seja para qualquer outra coisa. Remover os excessos é fundamental na rotina de um consumidor consciente.

Mas não se engane: consumir de forma consciente não se trata apenas de comprar o essencial, mas sim de buscar alternativas menos agressivas ao meio ambiente, beneficiando tanto a sua vida pessoal quanto a sociedade como um todo. Confira, a seguir, práticas que um consumidor consciente costuma aplicar em sua rotina.

Para que serve o consumo consciente?

O consumo consciente é uma filosofia de uso de recursos naturais com vários objetivos diferentes, tanto para o indivíduo quanto para o coletivo. Na prática, seguir esses preceitos cria uma reação em cadeia que gera benefícios diretos e indiretos para todas as pessoas.

Para o indivíduo, serve para reduzir custos e viver de forma mais organizada e alinhada com o meio ambiente. Em um primeiro momento, essa filosofia amplia o aproveitamento dos recursos obtidos para satisfazer as suas necessidades.

Um exemplo simples é o uso de eletrodomésticos que são mais energeticamente eficientes, ou seja, o aparelho consumirá menos energia elétrica para funcionar, reduzindo os custos mensais. Também podemos falar sobre o aproveitamento de comida: em vez de jogar alimentos fora e comprar outros, é possível se planejar para aproveitá-los em novas receitas.

Em um segundo momento, o consumo consciente estimula a pessoa a adotar hábitos saudáveis e em acordo com a conservação do meio ambiente. Podemos citar como exemplo: cultivar a própria horta em casa, reciclar embalagens e desperdiçar menos água na hora do banho. Essas pequenas atitudes ajudam a preservar o meio ambiente e combater as mudanças climáticas.

Isso nos leva aos benefícios indiretos que são gerados para todas as pessoas. Quando mais pessoas se tornam consumidores conscientes, o mundo inteiro fica mais saudável e o nível de desgaste na nossa produção é reduzido.

Quais as práticas básicas do consumidor consciente?

Se você deseja se tornar um consumidor consciente, existem algumas práticas muito importantes para todos que desejam melhorar seus hábitos de consumo. Confira algumas delas a seguir!

Comprar na medida certa

Nada de encher o carrinho de compras. Para quem entende o que é consumo consciente, o objetivo não é comprar pilhas de alimentos e produtos de limpeza. O ideal é saber o quanto você e sua família precisam.

Se os alimentos e produtos comprados estão estragando, significa que você está comprando mais do que deveria e não está consumindo de maneira consciente.

Reutilizar itens e mobílias

Sem essa de comprar coisas novas sempre que uma delas começa a apresentar algumas falhas. Quem entende o que é consumo consciente tenta aprender uma nova forma de reutilizá-las.

Preferir usar pilhas recarregáveis em vez das descartáveis, passar uma mão de tinta naquele móvel antigo ou personalizar uma roupa velha são bons exemplos de reutilização.

Aqui vale até ver vídeos no YouTube para aprender a consertar algumas coisas e dar um novo uso àquele objeto que está parado aí na sua casa.

Procurar bens duráveis e reparáveis

A ideia do consumo consciente aqui é comprar produtos de boa qualidade e com facilidade de conserto. Mas como saber se um produto é fácil de consertar? Conferir a rede de assistência técnica autorizada da fabricante do produto é um bom caminho.

Também é interessante pesquisar em outras lojas de assistência técnica sobre quais são os fabricantes que têm peças baratas e fáceis de repor. Dessa maneira, o custo de reparo é menor e você não precisa comprar um aparelho novo caso o seu dê problema.

Preferir eletrodomésticos com baixo consumo de energia

Além da facilidade de conserto e manutenção, é importante pesquisar o consumo energético dos eletrodomésticos que você está pensando em comprar.

Afinal de contas, não é muito consciente adquirir um eletrodoméstico, mesmo que ele seja barato, que vai fazer sua conta de energia ficar muito mais cara.

Outras práticas que também fazem parte do dia a dia de um consumidor consciente são:

  • a compra de produtos locais e orgânicos;
  • o planejamento das compras para evitar exageros;
  • o uso de embalagens reutilizáveis em vez das sacolas plásticas, que fazem mal ao meio ambiente;
  • o compartilhamento de produtos que podem ser usados por mais de uma pessoa, como uma bicicleta.

Por que é importante ser um consumidor consciente?

Também chamado de consumo sustentável, esse tipo de consumo é definido pelo sentimento de responsabilidade que visa cuidar do planeta e do próprio ambiente no qual você está. Quantas vezes você já se sentiu sobrecarregado por perceber que não tem espaço ou que tudo ao seu redor é excessivo e desorganizado?

O consumo consciente é importante para fazer mudanças locais, no seu próprio ambiente do dia a dia e até globais. Portanto, ao consumir de maneira sustentável, você ajuda a tornar seu ambiente limpo e otimizado, ao mesmo tempo que também contribui para “limpar” o planeta.

Alguns dos benefícios para a sociedade são: mudança de hábitos, maior organização e a consciência de que a responsabilidade com o meio ambiente é de todos.

Quais os princípios do consumo consciente?

Como mostramos algumas vezes nesse conteúdo, o consumo consciente só traz vantagens tanto para você quanto para os seus vizinhos e para o planeta. Na sequência, você vai conhecer alguns princípios de ser um consumidor consciente.

Consumir apenas o necessário

As pessoas que não têm um critério para seu consumo vivem constantemente achando que lhes falta alguma coisa. Frases como “não tenho nada para vestir” ou “quando eu comprar tal produto, serei feliz” são exemplos típicos da cultura do consumismo excessivo, no qual a maioria de nós esteve inserido por maior parte da vida.

Ao adotar o estilo de consumo consciente, o indivíduo passa a olhar para aquilo que tem: é aí que se desenvolve a percepção contrária de que temos muito mais do que precisamos. É a partir desse pensamento que os critérios para aquisição de determinado produto se tornam mais claros, virando, de fato, uma prática diária.

Reutilizar as embalagens dos produtos

Seguindo a lógica de uma pessoa que consome em excesso, além do objeto adquirido, existe todo o desperdício de materiais utilizados para embalar esses produtos.

E se, em vez de jogar caixas, sacolas e papéis de embalagem no lixo, eles pudessem ser aproveitados para outros fins?

Isso vai significar uma produção menor de lixo, além de resultar em economia para o seu bolso. Afinal, você provavelmente deixará de comprar uma caixa organizadora, um papel de presente ou o que quer que tenha reaproveitado das embalagens de suas compras.

Separar o lixo

Por falar em lixo, a reciclagem não só faz parte do consumo consciente como também é um ponto crucial para minimizar o impacto das compras que fazemos de forma constante. Com essa atitude, você contribui com a renda de famílias que dependem da renda produzida por meio de reciclagem, além de reduzir os danos ao meio ambiente.

Para começar, é bem simples: basta começar a separar o lixo em sua casa, conscientizando as pessoas que moram com você e entregando em pontos de coleta corretos. Quando jogar lixo em locais públicos, dê atenção à marcação das lixeiras, garantindo que está destinando seus resíduos para o local correto.

Mensurar os impactos do consumo

Nesse aspecto, é preciso se preocupar não somente com os objetos que compra, mas com tudo que está relacionado ao seu consumo diário. É o caso de energias não renováveis e outros recursos naturais escassos.

Portanto, é hora de otimizar a economia doméstica, diminuindo o consumo de água e energia em casa. Também é necessário dar atenção às origens dos produtos que consome e como isso impacta a sociedade como um todo.

Outro ponto importante é garantir a sustentabilidade em utensílios do dia a dia. Para isso, a preferência fica por conta de produtos reutilizáveis. Eliminar itens de plástico na sua casa é outra medida consciente. Alguns exemplos são: copos descartáveis, papéis e objetos de plástico que não se decompõem com facilidade, caso sejam descartados na natureza.

Não adquirir itens piratas

Somado aos impactos citados no item anterior, é de extrema relevância que o consumo de produtos falsificados seja erradicado da sua rotina.

Além de oferecer riscos para a sua saúde e segurança, já que não são fiscalizados pelos órgãos públicos competentes, quem consome pirataria acaba contribuindo com organizações mal-intencionadas. Elas podem prejudicar diretamente os produtores idôneos que arcam com impostos e fazem a economia circular de forma saudável.

Usar crédito conscientemente

O crédito é uma ferramenta econômica de incentivo ao consumo na nossa sociedade. De certa forma, é como um adiantamento (com um custo) de um dinheiro que você terá no futuro, mas não tem agora. Usá-lo de maneira indiscriminada é aumentar o seu próprio consumo, muitas vezes acima do que é necessário.

Mas o crédito não é algo ruim por natureza. Pelo contrário: é uma ferramenta que pode ser muito útil aos consumidores. No entanto, deve sempre ser usado conscientemente, após muita reflexão e para um consumo realmente necessário.

Contribuir para a melhoria de produtos e serviços

Todo consumidor tem canais de comunicação com empresas para oferecer sugestões, críticas e reclamações sobre produtos e serviços. Essas contribuições podem ser usadas para direcionar as companhias para um caminho mais consciente.

Por exemplo, suponha que você use um produto em casa cuja embalagem é feita de um plástico metalizado não reciclável. Enquanto consumidor, que tal enviar uma sugestão para a empresa propondo um tipo de embalagem reciclável? Se houver uma pressão grande o suficiente, a companhia alterará seu produto.

E essa contribuição não precisa ser necessariamente em uma escala tão grande. Ela pode acontecer em diversos aspectos do seu dia a dia. Por exemplo:

  • incentivar a separação de lixo dentro do seu condomínio;
  • criar uma horta orgânica para todo o condomínio ou bairro;
  • estimular mudanças nos negócios locais, como padaria, mercearia e outros.

Cobrar políticos por ações públicas

Apesar de ser uma decisão individual, o consumo consciente é algo que afeta toda a sociedade. Como mencionamos, desperdiçar menos recursos contribui para a preservação do meio ambiente, e isso beneficia a todos. No entanto, existe um limite ao que uma pessoa consegue fazer sozinha.

Nessas horas, é importante levar as suas ideias para um ambiente político, interagindo com os representantes eleitos pelo voto. Isso vale tanto para o aspecto nacional (com os deputados federais, senadores e presidente) quanto para o âmbito local (com os deputados estaduais, governadores, vereadores e prefeitos).

Além de cobrar por projetos de lei, votos e propostas que estimulem o consumo consciente, é importante pesquisar o histórico de cada político. Votar naqueles que já propuseram ou que têm essa filosofia como mote de campanha é primordial.

É normal pensar que “não adianta, pois nada muda”, mas isso não é verdade. Nos últimos anos, várias medidas de consumo consciente foram aprovadas graças à pressão política. Veja alguns exemplos:

  • incentivos fiscais para a adoção de energia solar;
  • inserção da reciclagem na Política Nacional de Resíduos Sólidos;
  • projeto de lei para recolhimento e destinação de baterias usadas;
  • estímulos fiscais para doações feitas para projetos de reciclagem;
  • projeto de lei para instalar sistemas de aproveitamento de água da chuva em prédios públicos;
  • economia de 35% do uso de água no Ministério da Justiça.

Todas essas iniciativas são multipartidárias e nasceram da cobrança e do incentivo da população pelo voto e por canais de comunicação com os políticos. Portanto, vale a pena se engajar politicamente dentro do consumo consciente.

Refletir sobre os valores do consumo consciente

Por fim, é essencial refletir constantemente sobre os valores do consumo consciente. Muitas pessoas acreditam que uma filosofia desse tipo é composta por um conjunto de regras do que “pode” ou “não pode” fazer. No entanto, não é assim. É importante entender os valores principais por trás dessa ideia para adotar novos hábitos de maneira orgânica e natural.

Além disso, ao refletir sobre os valores do consumo consciente, é possível identificar novas oportunidades de mudança no seu dia a dia. Isso amplia os benefícios dessa maneira de viver.

Quais as vantagens em praticar o consumo consciente?

Se você ainda não está convencido a se tornar um consumidor consciente, essas vantagens podem mudar seu pensamento. Confira!

Menos gasto de dinheiro

Mesmo que alguns produtos sustentáveis sejam um pouco mais caros, o resultado é mais economia. Ao preferir itens que não são descartáveis, por exemplo, você gasta menos. Assim, suas coisas vão durar mais, aumentando o tempo que seria preciso para comprar um novo produto.

Você se torna mais responsável

Responsabilidade com você mesmo e com o planeta são dois dos maiores motivadores do consumo consciente. Por isso, praticá-lo pode fazer com que você seja uma pessoa mais responsável com o cuidado próprio, as pessoas próximas e o dinheiro. Assim, você ainda evita cair em armadilhas de consumo que podem impactar sua saúde financeira em médio e longo prazo.

Contribuição para minimizar o impacto ambiental

Além de beneficiar sua vida pessoal, o consumo consciente é um fator determinante para reduzir o impacto ambiental que as ações individuais geram para a coletividade.

Quando um único indivíduo melhora sua relação com o consumo, toda uma cadeia recebe as consequências dessa atitude. Isso significa que você pode fazer sua contribuição para o planeta de forma mais simples do que imagina.

Compras mais bem pensadas

Se você é do tipo que passeia pelos corredores do supermercado quando decide fazer compras, provavelmente já percebeu que esse hábito pode prejudicar as finanças da sua família.

Ao adotar um estilo de vida consciente em relação ao consumo, você automaticamente fará um melhor planejamento. Assim, definirá estratégias para uma compra inteligente, impactando de forma positiva as suas finanças.

O hábito de deixar tudo planejado para que não tenha nenhum exagero faz com que você se torne um bom planejador em qualquer aspecto da sua vida. Não importa se for na prática de esportes, dança ou escrevendo.

Uso de crédito de forma responsável

Muitas pessoas acabam vivendo em um padrão acima daquele que realmente podem. Com isso, usam o crédito que têm disponível de forma desenfreada, como no caso do cheque especial.

Ao consumir de forma consciente, você adéqua aquisições e gastos de acordo com seu poder aquisitivo. Desse modo, melhora sua saúde financeira sem se endividar para isso.

Quais os desafios do consumo consciente?

Apesar de todos os benefícios citados, adotar o consumo consciente não é tarefa fácil. Existem muitos desafios para quem tenta mudar de vida e guiar sua tomada de decisões enquanto consumidor com base nesses preceitos.

Confira alguns desses desafios e como superá-los!

Falta de informações

O principal desafio de quem quer adotar o consumo consciente é não saber por onde começar. A falta de informações dificulta bastante o início, mas não pode ser um impeditivo completo.

Para superar esse problema, o recomendado é estudar muito e se engajar em canais no YouTube, páginas nas redes sociais, podcasts e sites que abordem o tema. A maior parte deles tem uma série de conteúdos focados apenas em iniciantes, com ensinamentos de como começar a ser mais consciente no seu consumo.

Preços mais altos

Segundo a pesquisa Akatu de 2018, um dos maiores obstáculos que os consumidores indicam para assumir hábitos mais sustentáveis é a percepção de que o preço desses produtos é maior. Portanto, viver de forma consciente implicaria em maiores custos.

Apesar dessa percepção, a verdade é que a questão financeira depende mais da organização e do planejamento do que dos preços no mercado. Existem muitas ações que reduzem os custos em vez de aumentá-los. Por exemplo, o consumo de produtos vindos de agricultores locais é sempre mais barato, pois não há custos de transporte.

Até objetos que são vistos como mais caros acabam por ter um custo-benefício melhor por causa da durabilidade. Por exemplo, lâmpadas LED são mais caras do que incandescentes, mas duram muito mais tempo e consomem menos energia. No fim das contas, geram um custo menor.

Dificuldade de mudar de hábitos

Por fim, a própria dificuldade de mudar de hábitos é um obstáculo difícil de superar. No entanto, é possível. De acordo com cientistas comportamentais, um novo hábito é formado após repetição da ação por 66 dias, em média. Por isso, ter um pouco de disciplina e foco é necessário para superar essa barreira inicial e absorver essa mudança de pensamento.

Quais as estratégias para se tornar um consumidor consciente?

Ao longo do artigo, mostramos algumas práticas básicas do consumidor consciente e as vantagens de adotar esse estilo de vida. Agora que você já pegou um bloquinho para planejar suas compras e rever comportamentos que o fazem consumir de maneira exagerada, que tal se aprofundar um pouco mais com alguns macetes?

Dica 1

A primeira dica é aprender a organizar melhor as suas contas de casa. Para começar, esqueça cálculos muito complexos e ideias que não fazem parte da sua realidade. Se você ainda não tem experiência em planejar suas finanças, saiba que é possível começar pelo caminho básico.

Pegue um caderno e anote todos os seus ganhos e as suas despesas. Em seguida, calcule o resultado e confira se vai sobrar ou faltar dinheiro no mês. Se sobrar, deixe uma parte reservada para emergências. Caso contrário, procure maneiras de cortar os gastos desnecessários.

Dica 2

O segundo truque de consumo consciente é chamar quem divide a rotina com você para entrar nessa também. Pode ser sua família, uma pessoa especial que vive com você ou até seus colegas de trabalho. Quando você consegue envolver outras pessoas, construir um novo hábito se torna mais fácil.

Por isso, uma boa ideia é estudar assuntos sobre planejamento financeiro em dupla, como finanças para casais.

Dica 3

Evitar comprar por impulso também é essencial para quem deseja se tornar um consumidor consciente. O hábito de comprar compulsivamente é um dos principais vilões para quem deseja não ter mais desperdícios.

Ao mesmo tempo, esse é um dos pontos mais difíceis de superar. Somos bombardeados todos os dias por propagandas e ofertas irresistíveis, principalmente em épocas festivas ou comerciais, como o Natal e a Black Friday. Uma boa notícia é que possível evitar as compras por impulso.

Consumir de forma consciente não significa que você não possa comprar coisas que deseja, mas que você deve repensar se realmente precisa e quer aquilo antes de comprar. Ao desenvolver essa consciência, você passa a procurar alternativas mais sustentáveis para comprar aquilo que é essencial para você.

O consumo sustentável é bem parecido com o que vemos no estilo de vida minimalista. A grande semelhança entre os dois está em contar apenas com o que é necessário, reduzindo desperdícios e compras desnecessárias.

Além disso, essas práticas visam a reutilização de itens e a escolha por bens duráveis. Os benefícios também são bastante parecidos, como a sensação de organização em sua casa.

Qual a situação atual do consumo consciente no país?

O Brasil ainda está longe do patamar ideal em relação ao consumo consciente. Mas dados recentes comprovam que o país vem evoluído em direção a um consumo mais sustentável.

Segundo dados de uma pesquisa recente do Mercado Livre, mais de 1,4 milhão de pessoas compraram pelo menos um produto de categoria sustentável pela primeira vez entre junho 2019 e maio de 2020. O expressivo crescimento é de 55% em relação ao período anterior.

Um dos fatores que pode ter acelerado esse comportamento foi a pandemia ocasionada pelo novo coronavírus, segundo informações da pesquisa citada. Isso se dá pela necessidade de economizar e pelo esforço de muitos brasileiros em contribuir com pequenos negócios que foram negativamente impactados pela crise.

Entre as linhas de produtos sustentáveis mais consumidos no país, as principais são:

  • desodorantes sem plástico;
  • copos menstruais;
  • sacolas ecológicas;
  • energia renovável, como painéis solares fotovoltaicos;
  • mobilidade sem emissões, como bicicletas tradicionais e elétricas.

O que acha da ideia de adotar hábitos de um consumidor consciente e aproveitar benefícios como ter mais dinheiro sobrando? De quebra, você ajuda a minimizar os efeitos danosos que provocamos no meio ambiente.

O consumo consciente só traz benefícios. No momento em que você sentir as vantagens do consumo sustentável no seu dia a dia, ficará cada vez mais difícil retomar hábitos antigos e prejudiciais. Portanto, tornar-se um consumidor consciente será simples e fácil.

Agora que você entendeu o que é consumo consciente e qual é a sua importância, que tal aprofundar o seu conhecimento no assunto? Para isso, assine nossa newsletter agora mesmo e receba mais dicas na sua caixa de entrada!

Marcella Menasce

por Marcella Menasce