Você sabe como funciona o rotativo do cartão?

17 de junho / 2020 (atualizado)

Saiba como funciona essa modalidade de juros e fique longe das dívidas!

 

Você já deve ter visto, entre as notícias, que o rotativo do cartão de crédito tem uma das maiores taxas de todas. Em abril de 2020, por exemplo, o valor anual foi de 269%, o que faz com que o valor das dívidas se multiplique. Não é por acaso que o cartão de crédito é apontado como o principal motivo para o endividamento.

A boa notícia é que há como se livrar dessa despesa de forma fácil. Com bastante organização e a ajuda extra para acabar de vez com o débito, é possível manter as contas em dia e evitar problemas maiores.

A seguir, vamos mostrar como funciona e como se livrar do rotativo do cartão. Confira!

 

O que é o rotativo do cartão de crédito?

Então, ele nada mais é que uma solução para adiar o pagamento de parte da fatura do cartão de crédito. Ele passa a ser usado quando você não paga a fatura completa — o que pode significar “pagar o mínimo” especificado na cobrança.

O grande diferencial é que ainda é possível usar o cartão, até o seu limite, mesmo se estiver no rotativo.

 

Como funciona

Sabe quando você não paga a fatura toda do cartão de crédito? Então, o valor que sobra começa a funcionar como um tipo de “empréstimo” por parte da responsável pelo cartão de crédito. Em troca de deixar o montante em aberto, há a incidência da taxa de juros do rotativo do cartão de crédito.

Portanto, essa não deixa de ser uma espécie de dívida que é contraída diante do uso do cartão.

Novas regras do cartão de crédito

Uma das características da taxa de juros do rotativo é o seu valor elevado, que faz com que a dívida aumente muito rápido. Em apenas um ano, era comum que os consumidores passassem a dever 2 ou 3 vezes o custo da própria dívida.

Para evitar esse fenômeno de “bola de neve” e que levava à inadimplência, houve uma mudança nas regras. Desde então, o rotativo só pode ser utilizado por um período de 30 dias.

Imagine que veio uma fatura em janeiro e você não pagou toda. Na fatura de fevereiro, constará o gasto do que foi usado no cartão mais o restante da anterior. Se pagar o valor completo, está tudo certo e não é preciso fazer mais nada.

No entanto, se não conseguir quitar o rotativo de janeiro, a operadora é obrigada a oferecer condições favoráveis. Então, será feita uma proposta de um tipo de financiamento, com juros menores e parcelas fixas.

A terceira possibilidade inclui pagar o mínimo de fevereiro e o rotativo de janeiro, entrando novamente no rotativo. Perceba, entretanto, que não é o mesmo e, sim, um novo “empréstimo” desse tipo.

 

Quais são os prejuízos de não pagar a fatura completa?

Entrar no rotativo do cartão é, exatamente, a pior consequência de não pagar a fatura cheia. Por menor que pareça o valor que ficou para trás, ele vai ficar mais caro por causa da incidência de juros. Então, você meio que perde dinheiro, já que paga mais caro do que efetivamente usou.

Além disso, entrar no rotativo pode atrapalhar muito a sua gestão financeira. Antes das mudanças nas regras, muita gente já havia se endividado em milhares ou dezenas de milhares de reais por causa do crescimento da dívida. Hoje você poderá quitar o valor devido do mês anterior com mais facilidade e ter mais tempo para se reeducar financeiramente.

A verdade é que, se não tiver cuidado, pode ficar inadimplente com toda essa questão do rotativo. Por isso, os prejuízos de não pagar a fatura completa são maiores do que parece.

 

Quando utilizar o rotativo?

Para manter as contas em dia e dar maior atenção à sua vida financeira, o ideal é não entrar no rotativo. Os juros não valem a pena e você poderá ter dificuldade para sair dele. Portanto, o recomendado é cuidar das suas finanças para que essa situação não aconteça.

Procure sempre pagar toda a fatura para não ter nenhuma pendência no mês seguinte. O melhor é repensar seu orçamento, fazer alguns cortes e conseguir quitar todo o valor, de uma só vez.

 

Como ficar livre da dívida do cartão de crédito?

Sabemos que nem sempre é possível fugir do rotativo do cartão, especialmente em um mês em que as finanças apertam. Se tiver entrado nesse tipo de crédito, agora é a hora de começar a pensar em como agir para sair.

Para ajudar nessa tarefa, separamos algumas dicas para se livrar dessa dívida. Confira!

 

Não gaste mais no mês

Se, na hora de pagar a fatura, você não quitou o valor inteiro, é hora de aposentar o cartão de crédito até o mês seguinte. A ideia é que a próxima fatura venha apenas com o rotativo referente ao mês anterior. Assim, há maior facilidade de pagar e vai evitar problemas como a dívida que parece interminável.

Caso já tenha algum parcelamento ou compra registrada para a próxima fatura, coloque tudo na ponta do lápis e saiba qual será o custo. Desse modo, há como se preparar para cobrir a despesa.

 

Recorra à negociação de dívidas

Para sair dessa situação o mais rapidamente possível, você pode contar com a negociação de dívidas. Com a ajuda de uma empresa intermediária, será viável fazer e receber proposta para quitar o valor do rotativo do cartão de forma barata.

emDia é especializada nesse assunto e conta com um site bem simples de navegar! Você só precisa incluir seu CPF e finalizar o cadastro para ver quais são os débitos pendentes. Tudo de maneira bem simplificada, por meio do fluxo do site da empresa. E você pode entrar em contato com sua equipe para tirar dúvidas e pedir ajuda!

Depois de fechar o acordo, é só pagar as parcelas na data escolhida. Com a emDia, também não será preciso se preocupar com o vencimento. Antes do dia do pagamento, enviamos alertas para que você não perca as condições diferenciadas. Legal, né?

O rotativo do cartão de crédito ainda é muito usado pelos brasileiros, mas apresenta diversas desvantagens para as finanças. Com boa organização do dinheiro e a renegociação quando for necessário, é possível manter suas contas sempre quitadas.

 

Se quiser se livrar dessa dívida em apenas alguns passos, conheça a emDia!

Ir para o site da emDia

Marcella Menasce

por Marcella Menasce