Como negociar dívidas: confira o passo a passo infalível

03 de novembro / 2021 (atualizado)

Quando estamos endividados, queremos, a todo custo, uma solução para o problema. Ao procurá-la na internet, não é difícil encontrar um post dizendo “renegocie suas dívidas”, mas ninguém explica ao certo como negociar dívidas. Por isso, para acabar de uma vez por todas com o seu problema, elegemos algumas dicas práticas para você.

Neste post, você vai encontrar um passo a passo infalível para fazer a negociação das suas dívidas, então, prepare-se para sair do vermelho e acabar de uma vez com a complicação da sua vida financeira. Fique de olho e aproveite o conteúdo até o final!

Por que devo quitar as minhas dívidas?

Antes de qualquer coisa, vamos deixar claro: quitar as suas dívidas é um passo indispensável para que você tenha condições de retomar o equilíbrio das suas finanças e voltar a fazer alguma coisa útil com o seu dinheiro. Do contrário, você vai viver para pagar contas.

Com isso, vai ficar bem difícil realizar o sonho de comprar sua casa própria ou viajar para a praia no final do ano sem precisar se preocupar com os cartões de crédito estourados ou os juros por atraso.

E, caso você ainda não saiba, é possível, sim, quitar as suas contas, fazer um planejamento e ter uma reserva eficiente para realizar os seus desejos materiais sem ficar soterrado em dívidas, desde que você saiba como negociá-las.

Esse é o primeiro passo para dar uma respirada e conseguir levar uma folga para o seu tão suado dinheirinho. Com isso, muitas outras vantagens começam a surgir, como parar de pagar juros absurdos por contas atrasadas ou mesmo dormir direito à noite sem se preocupar com as dívidas.

Mas esse não é o único benefício. Na verdade, ao enfrentar um problema financeiro, você acaba se obrigando a se tornar responsável com o seu dinheiro se quiser recuperar a sua tranquilidade. No final de todo o processo, sua educação financeira fica bem mais afiada do que era no início.

Então, de maneira resumida, quitar suas dívidas vai ajudar você a:

  • limpar o seu nome e garantir acesso a crédito no mercado, caso você precise;
  • aprender sobre estratégias que evitem o endividamento e práticas de consumo insustentáveis;
  • trocar aquelas dívidas caras e “impossíveis” de pagar por outras mais baratas;
  • obter juros menores junto ao seu credor, além de prazos mais extensos para pagar;
  • parar o crescimento desenfreado de uma dívida feita há tempos;
  • se reorganizar financeiramente, colocando as contas em dia e criando uma reserva financeira;
  • conquistar aquela sensação de alívio e tranquilidade por não dever para ninguém.

Como as contas em atraso impactam a minha saúde?

Muitas pessoas já chutaram o balde e decidiram que não têm mais condições de quitar as contas em atraso. Com o grande volume de parcelamentos e os juros abusivos que são cobrados pelo atraso, as dívidas se tornam verdadeiras bolas de neve que não param de crescer. Por outro lado, com um salário limitado e sem muitas alternativas para aumentar as fontes de renda, o consumidor simplesmente desiste de alcançar esse objetivo.

Enquanto algumas pessoas conseguem lidar com isso com naturalidade, a maioria fica extremamente preocupada com a situação. Isso porque dívidas em atraso podem causar sérias complicações, como a restrição de crédito e até mesmo a alienação de bens.

Em outras palavras, se você precisar pegar dinheiro emprestado para adquirir qualquer coisa de valor maior, ou se precisar de crédito para parcelar alguma compra, não vai conseguir. E isso limita sua vida em muitos aspectos.

Além da preocupação por não conseguir pagar as contas em dia, você perde a motivação para sonhar, já que fica difícil realizar alguns sonhos sem dinheiro, não é mesmo? Isso tudo sem falar na vergonha por passar por situações em que o seu crédito é negado ou nas noites de sono mal dormidas em função das contas atrasadas.

Ninguém vive bem assim. A preocupação aumenta sua condição de estresse, o que afeta o seu sistema imunológico e pode deixar você mais propenso a contrair doenças e desenvolver patologias, como a pressão alta, por exemplo. E aí, doente, os custos com saúde são bem mais altos. Difícil, né?

A boa notícia é que, não importa quão alta seja a sua dívida, sempre existe uma luz no fim do túnel. E com organização e disciplina, é possível quitar tudo. Por isso, hoje vamos ajudar você a descobrir, finalmente, como negociar dívidas de uma maneira que você consiga pagar.

Como pagar dívidas acumuladas?

Quando as dívidas começam a se acumular e o montante cresce, se multiplicando quase que exponencialmente, bate aquele pavor e a ideia limitante de que vai ser impossível “destruir esse monstro”. Mas uma empresa que vê essa situação se agravando, na verdade, está muito mais interessada em não perder todo o dinheiro do que fazer você pagar por tudo com os juros.

É por isso que é mais fácil conseguir um acordo para dívidas do que tentar pagar por elas de forma integral, com o valor original. Então, a negociação acaba se tornando muito mais atrativa para o consumidor e para o lojista, do que o crescimento da dívida em aberto, sem previsão de retorno.

Só que, para negociar as suas dívidas, é muito importante que você organize suas finanças. Isso porque quando você entrar em contato com a empresa, você precisará fazer uma proposta de pagamento. Para tanto, precisará saber exatamente quanto conseguirá assumir de parcelas por mês, para não deixar nada atrasar dessa vez.

Em alguns casos, se você tiver alguma quantia de dinheiro reservada (ainda que não seja no valor total da sua dívida acrescida dos juros), também conseguirá fechar um acordo de quitação. É isso mesmo! Muitas empresas concordam em quitar a sua dívida por um valor bem menor, apenas para garantir o recebimento.

Vamos aprender como se preparar para aproveitar esse tipo de oportunidade?

Qual é o passo a passo adequado para negociar as minhas dívidas?

Como você viu, a renegociação de dívidas exige organização. Isso porque você deve estar preparado para abraçar algumas oportunidades apresentadas pela empresa, sem voltar a atrasar seus pagamentos, é claro.

Então, para facilitar esse processo de uma vez por todas, preparamos um passo a passo que vai ajudar você a colocar suas finanças nos trilhos de novo. Fique de olho!

Reconheça o valor das suas dívidas

O primeiro passo de todos é pegar um papel e uma caneta (ou uma planilha no Excel) e listar absolutamente todas as contas que você tem em aberto. Você vai elencar o nome das empresas e o total da sua dívida, com juros, se você souber o valor. No final, você vai somar todos esses valores e vai chegar a um único montante.

Nós sabemos que isso pode ser assustador e, em alguns casos, aterrorizante, porque parece que você nunca vai conseguir chegar a esse valor. Mas, acredite, ignorar o total das suas pendências não é o melhor método para negociar dívidas.

Quando você tiver o valor total em mãos, estará de posse da sua primeira luz, lá no fim do túnel. Você terá uma meta conhecida. Por mais impossível que pareça nesse primeiro momento, você vai encarar esse valor como perfeitamente possível de ser alcançado, nem que leve tempo e exija alguns esforços.

Organize-se para economizar

Você já sabe o quanto deve, mas não faz ideia de como vai fazer para pagar tudo isso. Em todo caso, é preciso dar o primeiro passo em direção à essa quitação. E é por isso que você vai começar a organizar as suas finanças para economizar e, aí sim, negociar com os seus credores.

A organização, apesar de trabalhosa, parte de uma ideia muito simples. Você precisará:

  • detalhar os seus ganhos e gastos mensais;
  • classificar as suas despesas;
  • identificar as suas maiores fontes de custo;
  • eliminar todos aqueles gastos desnecessários e dispensáveis (pelo menos por um tempo);
  • e definir um valor mensal para economizar.

É claro que outras medidas também são importantes. Em uma situação ideal, é importante que você pare imediatamente de gastar dinheiro enquanto está endividado, até regularizar a sua situação. Os gastos permitidos são apenas aqueles que servem para a sua sobrevivência: seu aluguel, o supermercado, a farmácia, água, luz etc.

Todo o resto pode esperar para quando você terminar de pagar as suas contas, não importa qual seja a historinha que a sua mente contar para você.

Converse com os credores

No momento em que você conseguir organizar as suas contas e reservar uma determinada quantia de dinheiro por mês, você já terá condições de procurar os seus credores e fazer uma proposta para negociar dívidas com segurança. Quer um exemplo?

Digamos que no seu planejamento você tenha estabelecido que vai economizar R$ 200 por mês. Ao procurar o seu credor, você explicará a sua situação e dirá que quer fazer uma renegociação da sua dívida, mas que pode assumir, no máximo, um valor de R$ 200 mensais.

Se vocês chegarem a um acordo favorável para ambos, a negociação será selada e você começará a pagar pelo novo parcelamento, sem precisar arcar com mais juros. Esse é um passo importantíssimo para se livrar das suas pendências.

Mas, atenção: nossa dica de ouro é que você comece sempre pelas dívidas mais caras e com os juros mais altos, por mais que demore um pouco mais para quitá-las. Assim, você evitará aumentar cada vez mais a bola de neve.

Troque as dívidas caras por mais baratas

A principal estratégia da negociação é que você possa trocar uma dívida cara por outra barata. O cartão de crédito, por exemplo, está entre as dívidas que mais cobram juros. Por isso, se você não conseguir pagar integralmente a fatura, pode levar um susto na hora de checar as taxas.

A melhor saída, nesse caso, é fazer um acordo de cartão de crédito. Assim, em vez de deixar ficar incidindo juros absurdos sobre o valor em aberto, você paga uma taxa bem mais amigável para reparcelar a conta, percebe?

O mesmo vale para instituições financeiras, como a renegociação de dívidas no Santander, ou mesmo em diversas lojas.

Não aceite qualquer proposta

Antes de ter certeza que uma proposta é a melhor para você, é preciso estudar as condições. Além disso, muitas empresas fazem uma oferta inicial e, caso você rejeite, elas entram com uma alternativa melhor ainda. E, caso isso não aconteça, o mais indicado é que você seja fiel à sua condição financeira.

Por melhor que seja uma proposta, ela deve caber no seu bolso. Não adianta fechar um acordo na tentativa de regularizar a sua situação e não conseguir cumprir com ele. Então, certifique-se de que você conseguirá assumir as parcelas em dia.

É por isso que a etapa de levantamento das suas dívidas e a sua reorganização financeira são tão importantes. Assim, nessa fase, você saberá se pode assumir uma parcela de R$ 50, R$ 100 ou quantos reais forem.

Transfira sua dívida para outro agente financeiro

Se você não se sentir seguro para fazer essa negociação ou se não ver qualquer evolução nesse processo, você pode buscar uma parceira que entenda do assunto para conseguir condições melhores. Esse é um trabalho chamado de portabilidade de crédito e tem por objetivo melhorar as propostas para os consumidores.

Você também deve conferir se as condições são vantajosas para você. Pensando nisso, a maior parte das empresas que trabalham com essa atividade oferecem simuladores, que permitem que você tenha uma ideia das vantagens e desvantagens da nova alternativa.

Eduque-se financeiramente

Nossa próxima dica diz respeito a sua educação financeira. Lembra quando dissemos, logo no início do texto, que uma das vantagens em negociar suas dívidas é que você sairia desse processo melhor preparado para lidar com o seu dinheiro? Pois é, isso é graças a esse conhecimento sobre finanças que você está adquirindo aqui e que vai continuar aprendendo ao longo do pagamento das suas contas.

Com o tempo, você vai perceber, por exemplo, que em vez de pagar mais por uma compra para poder parcelar, é mais vantajoso que você guarde o valor das parcelas todos os meses e faça uma proposta para pagar à vista, com desconto. Além disso, vai perceber que muitas dessas coisas que você pretende adquirir sequer farão sentido depois de algum tempo.

Você também vai entender que:

  • rever seus planos de celular, internet e televisão, ajustando para o que você realmente usa, é bem importante;
  • ir trabalhar a pé alguns dias na semana e pode ajudar a economizar algum dinheiro;
  • ter uma reserva de emergência pode livrar você de um empréstimo e diminuir custos com imprevistos;
  • fazer seu dinheiro sobrar pode dar início à sua jornada como investidor;
  • investir o seu dinheiro pode fazer ele trabalhar para você.

Devo começar a pagar as dívidas pelas grandes ou pequenas?

Já demos uma pincelada nesse assunto, mas ele merece destaque. Já que você está tentando aprender como negociar dívidas, saiba que antes de fechar um acordo é preciso fazer uma análise minuciosa da situação, entendendo qual opção é mais vantajosa para você.

Em geral, quando você tem uma dívida grande, ela costuma ser mais cara. Por mais que ela tenha uma taxa de juros menor do que outra, esse valor é percentual, e é calculado sobre o valor em aberto. Por isso, é comum que ela custe mais caro, no final das contas.

É por isso que você precisa conversar com todos os seus credores e entender exatamente quais são as taxas de juros que estão sendo exercidas sobre as suas pendências e qual é o valor total da dívida que você tem com a empresa. A partir disso, você fará uma análise das propostas.

Muitas empresas são receptivas à negociação e facilitam as condições para que você possa ficar em dia de novo, como acontece se você:

Como renegociar uma dívida em banco?

Quando se trata de renegociação de dívidas com o banco, a situação não é muito diferente. A primeira medida é acionar a instituição, avaliando com ela as opções que estão à sua disposição para essa nova negociação. Então, você terá que estudar as propostas.

Lembre-se da nossa dica sobre não aceitar a primeira oferta. Tente levantar alternativas ou seja honesto quando achar que a proposta não é boa o suficiente para você. É melhor recusar a alternativa do que concordar e não conseguir pagar novamente.

Você também pode recorrer à portabilidade de crédito, levando uma dívida que está sofrendo taxas de juros mais altas, para uma instituição com taxas menores. Para isso, será preciso anotar todas as informações, procurar os concorrentes e avaliar todas as propostas.

Uma alternativa são os feirões de renegociação de dívidas, em que os bancos oferecem condições especiais. Então, talvez seja interessante, antes mesmo de ir até a agência, conferir se o seu banco não está participando de algum evento assim.

Fora isso, você precisa manter a sua situação financeira sob controle, conforme nós já mencionamos. Ter um registro dos seus gastos é algo que pode ajudar muito, além de um planejamento que faça você identificar o limite do parcelamento que você pode aceitar ao negociar com um banco.

Como pagar uma dívida mais rápido?

A maneira mais rápida e talvez mais barata de conseguir pagar e se livrar logo das dívidas é conseguindo acordos de pagamento à vista. Assim, como receberão o dinheiro rapidamente, as lojas e os bancos têm ainda mais interesse em fazer uma proposta que possa ser aceita.

Para isso, no entanto, você precisa, impreterivelmente, ter o dinheiro em mãos. Mas, contando que você esteja com dívidas em atraso e considerando a maioria dos casos, podemos supor que você não conta com dinheiro disponível. E é por isso que você deverá buscar fontes alternativas para levantar recursos.

Como conseguir dinheiro para pagar as dívidas?

É claro que, se você desejar pagar uma dívida ainda mais rápido, terá que, além das negociações, encontrar meios para levantar recursos de forma mais rápida. Para isso, existem algumas opções, como conseguir algum trabalho extra, arrumar dinheiro emprestado com algum familiar ou fazer um empréstimo consignado, por exemplo.

Este último é conhecido como uma das melhores alternativas para quem está endividado, mas que é assalariado. A opção permite que você levante fundos junto a uma instituição financeira, com taxas de juros baixíssimas.

Isso porque as parcelas de pagamento do empréstimo são descontadas diretamente da sua folha de pagamento. Com isso, o banco tem a garantia de que receberá em dia e, por ter um risco menor envolvido, consegue cobrar menos taxas de você.

Por essa condição de riscos mais baixos, as instituições também não consideram se você está ou não negativado junto aos órgãos de proteção ao crédito. Portanto, essa é uma boa saída para quem quer levantar fundos e tentar quitar as dívidas à vista com bons descontos.

Como a emDia pode ajudar?

A emDia está sempre buscando alternativas para apoiar você nessa jornada de organização financeira. Por isso, nascemos para ser uma plataforma digital de negociação de dívidas, nas mais diversas faixas de atraso, com descontos que podem chegar a até 98%.

Essa, por si só, é a solução ideal para colocar a sua vida financeira nos trilhos e devolver a sua tranquilidade emocional para começar a sonhar de novo. Mas nós fomos além. Construímos um portal de educação financeira que ajuda a acabar com o endividamento e empoderar financeiramente nossos leitores, como você.

Você pode fazer o seu cadastro de forma simples e rápida, em menos de 5 minutos, podendo consultar se o seu CPF está em dia e ainda descobrir se existem dívidas que podem ser negociadas com a gente.

Se livrar de uma dívida pode não ser tão rápido e fácil, mas é plenamente possível. Então, com controle, disciplina e organização, você pode colocar as suas finanças em dia de novo e desfrutar de uma vida mais tranquila e até saudável.

Gostou da ideia? Então, agora que você já sabe como negociar dívidas e aproveitar as melhores oportunidades de renegociação de dívidas online, que tal se cadastrar em nosso site e fazer uma simulação? Acesse!

Gabriella Araujo

por Gabriella Araujo