6 mitos e verdades sobre como aumentar o score de crédito

31 de julho / 2020

“Como aumentar o score de crédito?” — essa é uma dúvida recorrente entre pessoas que estão com uma pontuação abaixo do desejado e sabem como isso pode dificultar a vida financeira. Afinal, esse sistema é responsável por duas coisas. A primeira é avaliar os brasileiros em relação aos hábitos de consumo, ao pagamento de contas e ao acesso e utilização de créditos disponíveis no mercado (cartões, empréstimos, financiamentos etc.).

A segunda, por sua vez, é repassar às instituições financeiras se você tem um perfil de inadimplente ou adimplente conforme o resultado anterior. Isso pode resultar em restrições de novas linhas de crédito. Não é para menos que muitas pessoas pesquisam na internet sugestões do que fazer para mudar esse quadro.

O problema é que, da mesma forma que ajuda, a rede também pode confundir e atrapalhar quando você encontra uma informação que se baseia em achismos e senso comum. Bem complicado, não é? Por isso, preparamos este post com alguns dos principais mitos e verdades sobre o assunto para deixá-lo a par de tudo. Acompanhe até o fim!

 

  1. Colocar CPF na nota aumenta o score

Isso é mito! Muitas pessoas acreditam que colocar o CPF na nota fiscal ajuda a aumentar o score. Para elas, isso mostra (e comprova) os hábitos de consumo de pessoas que preferem comprar à vista em vez de usar linhas de crédito e parcelar, por exemplo. Porém, não há ligação entre uma coisa e outra, certo?

Na verdade, essa prática se tornou comum em todo o país porque os estados brasileiros conseguem, por meio desse registro, monitorar com precisão a arrecadação e o pagamento de impostos das empresas. Isso é feito para identificar não só possíveis casos de fraude fiscal, mas também a venda de produtos ilícitos ou piratas. Portanto, fazer isso é colaborar com o cumprimento da lei.

 

  1. Atualizar dados cadastrais aumenta o score

Sim, é verdade! Afinal, quanto mais atualizado é o seu perfil no sistema de score de crédito, mais o mercado terá informações atuais e precisas sobre formas de contato, onde você reside, com o que trabalha, qual é seu estado civil, formação acadêmica e por aí vai.

O bom é que você pode fazer isso de maneira bem simples: por meio dos birôs de crédito, que são as empresas responsáveis por passar essas informações do sistema para o mercado. Dois exemplos bem conhecidos dos brasileiros são o SPC e o Serasa. Neste último, inclusive, você pode fazer a atualização online, do conforto de casa, por meio da área do cliente na página oficial do órgão. Que tal?

 

  1. O score sobe assim que você paga uma dívida

Isso é mito! O seu score não aumenta a partir do momento que você negocia as parcelas de uma dívida ou paga o valor integral dela — mesmo que se trate de apenas uma. É preciso entender que esse tipo de mudança não é algo que acontece da noite para o dia, ok?

Ao contrário, é um processo que leva tempo, pois o sistema analisa o seu histórico como um todo para dar a sua pontuação, não apenas episódios isolados. Portanto é importante que, ao deixar esse débito para trás e ter o seu nome limpo de volta, você mantenha o controle dos seus gastos para não adquirir nenhum outro débito.

 

  1. Pagar as contas em dia aumenta o score

Sim, é verdade! Isso porque você mostra sua responsabilidade com as despesas que assumiu, sejam elas temporárias (como a parcela de um cartão de crédito ou a mensalidade de uma escola de idiomas), sejam elas regulares (como os boletos de água e luz). Portanto, o sistema detecta esse comportamento e cria um histórico de pagamento de contas que é acessado pelas empresas do mercado de crédito por meio do Cadastro Positivo.

Logo, se você não atrasa nenhuma fatura, o seu histórico fica bastante favorável. O score só tende a aumentar com o tempo, e suas oportunidades de linhas de crédito vão se expandir continuamente.

 

  1. Ganhar mais faz com que meu score suba

 

Isso é mito! Sem dúvidas, ganhar mais pelo seu trabalho é algo positivo, pois é um retorno dado ao seu esforço, ao seu profissionalismo e aos anos de estudo. Isso sem mencionar que um orçamento mais folgado ajuda a manter as despesas em ordem e a ter uma maior qualidade de vida — dois objetivos compartilhados por muita gente!

Porém, não se engane: não há nenhuma relação entre a sua renda e o seu score. Você pode ganhar R$1.000, R$5.000 ou R$10.000 por mês, por exemplo, que isso não fará diferença. Tanto é que esse dado não é um critério levado em conta em nenhum dos birôs de crédito existentes no Brasil. O que importa é a sua capacidade de ser adimplente com as finanças e despesas que você assume.

 

  1. Ter poucos cartões de crédito contribui para o score crescer

Sim, é verdade! Embora muita gente acredite que quanto mais cartões de crédito, melhor, isso não passa de uma grande ilusão. O motivo para tanto é bem simples: quanto mais cartões disponíveis você tem, maiores são as chances de gastar mais do que se ganha, o que pode gerar alguma dívida.

Para completar, o excesso de solicitações de novos cartões a bancos, lojas e outras instituições, ainda mais em um curto espaço de tempo, é visto como comportamento suspeito. É que essa é uma prática comum entre criminosos que clonam/roubam dados de cidadãos e tentam comprar coisas ou retirar dinheiro no nome das vítimas.

Portanto, o ideal é manter um ou dois cartões, por exemplo, para que você possa controlar seus gastos, pagá-los em dia, ter uma boa relação com os operadores deles, conquistar um bom limite neles e, assim, ver o seu score crescer.

Como você leu, quando se trata de saber como aumentar o score de crédito, não faltam macetes e sugestões na internet — e nem todos eles são verdades. Por isso, é importante checar cada um deles e contar com uma plataforma de referência (como a emDia) para se manter bem informado. Além disso, sempre é bom recordar que manter a pontuação do score alta é importante, pois isso contribui com sua vida financeira e com a obtenção de crédito quando você mais precisa.

Gostou de desvendar os mitos e verdades sobre score? Se você quiser saber mais sobre como a negociação de dívidas pode ajudar na sua pontuação, acesse o site da emDia.

Ir para o site da emDia

Marcella Menasce

por Marcella Menasce