Como comprar parcelado: passo a passo para você se organizar

26 de novembro / 2021 (atualizado)

Não tem como negar: comprar parcelado é algo frequente na rotina de milhões de brasileiros. Quem confirma isso é a Associação Brasileira de Internet (Abranet) em parceria com o Datafolha, que, por meio de um levantamento realizado em 2021, identificou que 75% da população tem esse hábito.

Acontece que, por mais que venha a calhar em momentos de orçamento apertado, essa prática pode levar ao descontrole das contas. Por isso, é importante adotar algumas medidas para evitar esse problema, organizar as suas despesas mensais e não acabar na lista de negativados. Continue lendo e saiba quais são elas!

Quando comprar parcelado?

Se você tem a alternativa de pagar à vista por um produto ou serviço, já sabe o que fazer: utilize essa forma de pagamento. Afinal, você já quita a compra no ato, não comprometendo o limite do cartão de crédito por meses a fio. Além disso, pode negociar descontos com o estabelecimento e aproveitar melhor períodos promocionais e de liquidação.

Porém, se esse não é o caso, não esquente a cabeça! Você pode recorrer ao parcelamento. Apenas é preciso entender o momento certo de quando pagar com cartão. É que não é uma boa ideia fazer isso se você já tem:

  • débitos em atraso de carnês, crediários e outros cartões de crédito;
  • compras parceladas de meses anteriores.

Por que optar por essa forma de pagamento?

Recorrer ao parcelamento é útil, pois você pode adquirir um produto ou pagar por um serviço para o qual não tem o valor total disponível para uso imediato. Algo que pode acontecer, por exemplo, ao reformar a casa, fazer um tratamento de saúde ou iniciar uma graduação ou curso livre para valorizar o currículo.

Ou seja, é um gasto que você pode assumir de maneira programada nos meses que estão por vir. Dessa forma, você evita recorrer a empréstimos com juros altos que pesam muito no bolso, afetar o seu padrão de vida e, inclusive, gerar inadimplência — algo que vai demandar um ou mais acordos para ser resolvido.

Por que não comprar parcelado?

A resposta é simples: para que esse hábito não deixe de ser um recurso a ser usado apenas em casos específicos e se torne uma “regra” na sua rotina. Afinal, quando você faz um parcelamento em cima de outro, compromete duas coisas: a sua renda do mês e os seus cartões de crédito.

Ou seja, no fim das contas, você fica sem poder de compra, o que prejudica o bem-estar emocional, a saúde, a alimentação, a locomoção, o lazer e o ócio.

Isso sem mencionar, é claro, que as chances de se endividar dobram nesse contexto. É que, ao surgir a necessidade de um gasto novo, você estica a corda das despesas e, muitas vezes, deixa de pagar um boleto aqui, outro ali.

Quais são as melhores dicas para controlar as compras parceladas?

Para concluir nosso post, trouxemos um passo a passo para você saber como usar cartão de crédito e fazer compras parceladas de forma consciente. Fique de olho!

Estabeleça um teto mensal para o parcelamento

O primeiro passo é estabelecer um teto mensal para o seu parcelamento. Porém, atenção: ele não deve ser de acordo com o limite do seu cartão de crédito, mas conforme a sua renda. Afinal, é com ela que você vai pagar essa conta, não é mesmo?

Portanto, o ideal é que esse valor não ultrapasse 15% do seu orçamento. Isso porque já haverá outras despesas pessoais para pagar no fim do mês, além de questões como criação do seu “pé-de-meia” e o pagamento de eventuais dívidas.

Por exemplo, se você ganha R$ 2.000,00 líquidos, o máximo que você pode destinar ao parcelamento é R$ 300,00. Esse montante pode ser usado de uma só vez em uma única compra ou ser a soma de algumas. O importante é se comprometer a nunca extrapolar esse limite, combinado?

Parcele em um único cartão de crédito

Mesmo que não seja um problema ter duas ou mais compras que completem o seu teto de parcelamento, não caia no erro de dividi-las entre diferentes cartões. Isso é, como diz o ditado, um baita tiro no próprio pé!

Quem usa muitos cartões simultaneamente tem uma dificuldade maior para acompanhar as despesas que vai assumindo ao longo do mês. Como resultado, além dos parcelamentos, a pessoa usa essas ferramentas para cobrir diversos gastos pequenos que vão se acumulando para o pagamento da próxima da futura.

Esses valores podem até mesmo duplicar o valor habitual do boleto e se tornarem uma bagunça no seu orçamento. Por isso, o mais indicado é concentrar todas as compras em um só cartão e utilizá-lo apenas para compras parceladas, pois assim fica mais fácil:

  • monitorar a quantidade delas e os respectivos valores de cada uma; e
  • saber quantas parcelas faltam para quitá-las.

Para completar, você tem uma noção mais clara e precisa do quão próximo está do seu teto mensal para esse tipo de pagamento, algo que vai ajudar a reduzir o consumo por impulso e a se planejar melhor para futuras compras.

Evite um número muito extenso de parcelas

Por último, evite um número exagerado de parcelas. Por exemplo, compras que podem ser pagas em 12, 15, 18 ou 24 meses. Tenha em mente que isso significa comprometer parte da sua renda por um ano ou mais, ou seja, um período muito extenso!

É preciso considerar que mudanças de vida acontecem a qualquer momento, como troca de emprego, demissão, casamento, gravidez etc. Logo, não há como assegurar 100% que daqui a tanto tempo você terá a mesma renda — ou pior: que não vão surgir outras despesas ou imprevistos financeiros.

Diante disso, o mais indicado é comprar parcelado em até seis vezes — isto é, um semestre. Dessa forma, é possível finalizar mais rápido a sua conta e restaurar o limite da sua linha de crédito.

Como mostrado, comprar parcelado, por si só, não é um problema. Porém, é preciso planejamento e autocontrole para não exagerar na quantidade de parcelas nem comprometer todos os seus cartões de crédito. Lembre-se de que isso pode levar a contrair dívidas indesejadas. Por isso, ao escolher essa forma de pagamento, siga as nossas dicas para mantê-lo dentro do seu orçamento!

Aproveitando que estamos falando sobre parcelamento, saiba se é uma boa ideia usar cartão de crédito emprestado ou ceder o seu a alguém!

Gabriella Araujo

por Gabriella Araujo