Como manter a estabilidade financeira após o fim do auxílio emergencial? Aprenda aqui!

16 de dezembro / 2020 (atualizado)

Com o fim do auxílio emergencial marcado para dezembro de 2020, muita gente tem ficado apreensiva — o que não é à toa. A razão disso é que, ao longo do ano, ele foi responsável por ajudar mais de 126 milhões de pessoas durante a pandemia de Covid-19, como aponta informe oficial do governo federal.

É por isso que tantos brasileiros têm se questionado sobre o que fazer para garantir o pagamento das contas, o equilíbrio do orçamento e, em especial, a renda do mês diante desse novo cenário.

Pensando nisso, trouxemos um post que reúne algumas dicas para se planejar para essa nova fase, aproveitar de forma inteligente esse recurso, organizar-se financeiramente e, assim, alcançar um padrão de vida estável para o ano que se inicia. Confira!

Corte custos na sua rotina

pessoa cortando cartões para fugir do ciclo de endividamento brasileiro

A primeira sugestão é avaliar os custos presentes na sua rotina, que não são indispensáveis, isso permite que eles sejam modificados ou totalmente deixados de lado. Isso ajuda a poupar dinheiro que pode ser usado para coisas mais importantes e o principal: deixa a sua relação com ele mais consciente. “Mas de que tipo de gastos estamos falando?”, você deve se questionar. Há vários exemplos que podemos dar, como:

  • hábito de lanchar na rua, em quiosques, barracas e food trucks;
  • pagamento de taxas por deixar o carro dentro de estacionamentos privados;
  • consumo diário de refrigerantes e outras bebidas industrializadas;
  • despesa com delivery de refeições prontas ou compradas no supermercado;
  • pagamento de serviços premium de aplicativos no smartphone;
  • assinatura diária, semanal ou mensal de jornais e revistas;
  • uso de plano pós-pago de celular em vez de pacotes de controle ou pré-pago.

Planeje metas de economia para o mês

pilha de moedas, cofrinho e calculadora para aprender sobre educação financeira

Além de cortar despesas, é necessário que você planeje metas de economia para o mês nas seguintes áreas: moradia, transporte e educação — três esferas da vida que concentram muitos gastos, boa parte deles indispensáveis. O objetivo disso é conseguir ir além de poupar, utilizando esse dinheiro para criar uma reserva de emergência para o futuro. Abaixo, dá para conferir algumas sugestões para se inspirar:

  • moradia: reduzir o consumo de água ao tomar banho, evitar acender as luzes ao longo dia, controlar o tempo que aparelhos eletrônicos ficam carregando na tomada;
  • transporte: fazer trajetos curtos a pé em vez de carro, diminuir as corridas feitas de transporte particular, adquirir uma bicicleta para pequenos e médios deslocamentos diários no lugar de ônibus e metrô etc;
  • educação: optar por cursos livres e de extensão que são gratuitos, conversar com a faculdade sobre opções de desconto ou bolsa para veteranos/calouros, pesquisar sobre graduações EAD e comparar o custo-benefício delas com as formações presenciais etc.

Encontre fontes de renda alternativas

criança com notas de dinheiro nas mãos comemorando

Outra dica importante em relação ao fim do auxílio emergencial é encontrar fontes de renda alternativas, capazes de substituir justamente esse recurso. Por exemplo, mesmo com o isolamento social ainda decretado em muitas cidades, especialmente nas capitais brasileiras, o comércio está liberado e funcionando. Portanto, vale a pena pesquisar por empregos temporários que são algo frequente nesse setor no fim de ano.

Para completar, também é uma boa ideia pensar em atividades autônomas que você possa exercer em casa e até contar com o apoio da família para administrá-las enquanto está desempregado e/ou em busca de uma nova atividade profissional, como:

  • produção e venda de marmitas, lanches saudáveis e doces;
  • revenda de peças de roupas, acessórios, calçados e perfumes;
  • serviço de costura e pequenos reparos em peças do vestuário;
  • oferta de aulas particulares — de idiomas, informática, reforço escolar, preparação para o vestibular etc. — online individuais ou em grupo;
  • criação de um sebo digital para comercializar livros usados — que eram seus, foram ganhos ou comprados de terceiros — e novos — que você compra para revenda;
  • inscrição em aplicativos de transporte (como Uber e 99) para fazer corridas ou entregas de encomendas.

Lembrando que você pode, inclusive, usar parte do dinheiro do auxílio para investir em um ou mais desses pequenos negócios, comprando insumos e/ou mercadoria, fazendo anúncios impressos e online para divulgar o seu empreendimento ou simplesmente montando o seu local de trabalho.

Aproveite o fim de ano para quitar as dívidas

calculadora

Se você tem dívidas em aberto, não pense duas vezes: aproveite os últimos meses do ano, marcados por melhores condições e feirões de pagamento, para tirar o seu nome do SPC e do Serasa. Dá até para utilizar o próprio auxílio com esse objetivo.

Basta lembrar que muitas empresas oferecem abatimentos consideráveis para quem deseja quitá-las à vista. Além disso, há plataformas de negociação, como a emDia, na qual você tem a oportunidade de conseguir descontos de até 90% no valor total da dívida e até parcelar aquelas contas com custo mais alto sem pesar no seu bolso.

Tenha um controle de entrada e saída de dinheiro

Por último, adote um controle rígido de entrada e saída de recursos para você ter uma ideia mais clara do que tem feito com o seu orçamento e como anda gastando as suas reservas. Uma boa sugestão é deixar o que ainda tem do seu auxílio e das suas economias na sua conta bancária, mais especificamente na poupança.

Daí você passa para a conta corrente uma quantia “X” a cada sete dias para usar durante a semana com alimentação, transporte, saúde etc. Essa é uma maneira bastante eficaz de contornar os impulsos e não ceder à tentação de gastar mais porque está com um saldo relativamente grande disponível.

Outro ponto útil é cortar o uso do cartão de crédito para evitar dívidas e, em especial, parcelamentos desnecessários capazes de comprometer a sua renda em 2021. A ideia é começar o próximo ano com o orçamento livre de pendências, não o contrário, ok?

Como mostrado, o fim do auxílio emergencial não precisa ser sinônimo de instabilidade financeira na sua vida. Ao invés disso, organizando-se, cortando as despesas, mantendo as contas em dia e traçando alternativas de sustento, é possível começar 2021 com as finanças equilibradas. De quebra, você vai estar livre do estresse, da ansiedade e das preocupações que surgem com o orçamento em vermelho. Portanto, aproveite hoje mesmo as nossas dicas!

E se você quer se manter sempre por dentro das melhores sugestões para quitar dívidas, controlar os gastos, investir dinheiro, usar corretamente o cartão de crédito, não tem erro: é só acompanhar sempre o nosso blog!

Ir para o blog

Marcella Menasce

por Marcella Menasce